Arquivo do mês: fevereiro 2010

Parabéns para mim!

Parabéns para mim, nesta data querida, muitas felicidades, muitos anos de vida.

É isso mesmo, chegou o dia. Hoje, 23 de fevereiro, eu completei 34 anos. Sinceramente, nunca tinha passado um aniversário assim, longe de casa, sentindo que era um dia normal, como outro qualquer. Acordei na hora de costume, fui pro banho, troquei de roupa, tomei café da manhã exatamente igual ao de ontem e provavelmente idêntico ao de amanhã, escovei os dentes e sai para trabalhar.

Para o dia começar ainda melhor, a bateria do carro não ajuda, acho que é problema no motor de arranque, e olhe que já passou uma semana na oficina e não arrumaram… tudo bem, não vai ser isso que vai tirar minha alegria, não hoje! Consegui voluntários, um empurrãozinho e o carro estava vivo novamente.

O restante do dia foi idêntico aos outros 292 desde que saí do Brasil e vim para o Timor, trabalhar. Continuar lendo

4 Comentários

Arquivado em Crônicas do GUS

O ano está só começando

Agora sim! Finalmente, e depois de longa espera, o ano vai começar. Como já é público e notório no Brasil, a coisa só embala mesmo depois do Carnaval. É hora de ir se preparando para dar início a todas as suas resoluções de ano novo: entrar em dieta, fazer exercícios, dormir cedo, voltar a estudar, beber menos, parar de fumar, abrir uma poupança…

De toda a lista, eu creio que o item mais difícil de tirar do papel, neste primeiro momento, vai ser começar a poupar dinheiro, pois passadas as festas de momo com todos aqueles extras “inesperados”: fantasias, abadás e kits de blocos, bebidas e remédios para ressaca; a gente se depara com um rombo no cheque especial tão grande quanto o túnel que escavaram para roubar o Banco Central. E pra completar, aquela velha história de que um corpo não pode estar em dois lugares ao mesmo tempo também funciona com o nosso dinheiro: ou cobre as dívidas ou vira poupança. Continuar lendo

6 Comentários

Arquivado em Crônicas do GUS

Só acredito vendo!

Como diria o São Tomé: tem coisas em que eu só acredito vendo, e uma delas era político preso no Brasil por suspeita de corrupção. Qual não foi a minha surpresa ao ler as manchetes na internet um dia desses? O ex-governador do Distrito Federal estava preso na sede da PF por suspeita de estar encabeçando um esquema de corrupção, com direito a Habeas Corpus negado e tudo o mais.

Tá certo que estamos em ano de eleições e as manobras políticas para derrubar adversários podem chegar a assumir níveis inacreditáveis, mas tudo tem limite! E tenho que admitir: mesmo tendo esperado umas boas décadas para ver tal coisa acontecendo, me assustei, pensei que isso era um sinal do fim dos tempos, acho que o coração do brasileiro honesto e cumpridor dos seus deveres não está preparado para ouvir uma notícia como essa, assim, de supetão. Continuar lendo

6 Comentários

Arquivado em Crônicas do GUS

Daqui praí

Foi bom enquanto durou, mas acabou-se o que era doce!

Como vocês que acompanham as crônicas sabem, estive recentemente no Brasil, de férias. A folga passou rápida como um raio e a programação, coordenada pelos meus dois filhos pequenos, foi super-intensa: zoológico, praia, shopping, parque de diversões e cinema (onde eu assisti de: Xuxa e o mistério da feiurinha até Sherlock Holmes, passando por Avatar e Astroboy).

No total foram vinte e seis dias, dos quais seis foram só viajando e vinte dias em casa.

Saindo do Timor, a primeira parada foi Bali e a empresa: Merpati – avião pequeno, entretanto a viagem estava só começando e, como era de se esperar, a excitação em voltar para casa, depois de oito longos meses, me fazia superar tudo, até mesmo o fato de não achar uma posição confortável para colocar as pernas, que insistiam em não caber no espaço entre uma fileira de poltronas e a outra. Ah, rolou almoço, com direito a sobremesa: uma espécie de pudinzinho em formato de flor, parece que estamos mordendo uma barra de sabonete mais macia.

Em Bali eu levei um chá de chão, meu voo só saía à noite e nem na parte interna do aeroporto eu podia esperar, tive de ficar do lado de fora, sentado no chão e vendo o tempo passar. Quando finalmente entrei, fiz o check-in e depois de passar por aqueles procedimentos de raio x e detectores de metal por duas vezes, uma ainda na entrada do aeroporto, enfim, partimos. Continuar lendo

7 Comentários

Arquivado em Crônicas do GUS