Arquivo do mês: outubro 2009

E ele não conseguiu, de novo…

Ah, não! Assim já é demais! Nosso Macunaíma – o anti-herói brasileiro, dos dias atuais, também conhecido como Rubinho Barrichello, conseguiu, ou melhor, não conseguiu de novo. Se houvesse um lugar no Guinness Book para as pessoas com mais tentativas falhas de ser campeão mundial de automobilismo, com certeza seria o nome dele que estaria lá. Qual foi a desculpa dessa vez? O erro na tática da equipe? Eu pergunto: a equipe não é a mesma? Por que só erra com ele?

DickQuando ele corria ao lado do Michael Schumacher, diziam que o Schumi, numa versão repaginada do Dick Vigarista, aquele da corrida maluca, tinha, no seu console de instrumentos, alguns botões que destruíam o carro do Rubinho. Era só apertar e BUM! Pode até ser uma ideia mirabolante, mas isso explicaria muitas “quebras” do brasileiro que foram importantes para os triunfos do alemão. Continuar lendo

6 Comentários

Arquivado em Crônicas do GUS

Abrindo o jogo

A teimosia é uma das características do ser humano. Ela é responsável por ter feito o Homo neanderthalensis evoluir e superar as necessidades e dificuldades que o cercavam e o separavam de seu xará evolutivo Homo sapiens sapiens.

Até me arrisco a dizer que: a teimosia agregada ao desafio é capaz de impulsionar o homem a coisas maravilhosas (e outras nem tanto, eu reconheço), como, por exemplo, a criação do abridor de latas, que foi inventado, aproximadamente, seis meses depois do primeiro cinto de castidade. Continuar lendo

15 Comentários

Arquivado em Crônicas do GUS

Que venha Wimbledon!

Aros-Olimpicos“Yes, we créu!”, segundo eu soube, essa frase, que é uma paródia ao: “Yes, we can!” (“Sim, nós podemos!”) – lema da campanha de Obama à presidência dos Estados Unidos, foi a mais postada no twitter logo após o anúncio de que o Rio de Janeiro havia sido escolhido, pelo Comitê Olímpico Internacional, como a sede para as Olimpíadas de 2016, com direito a choro do nosso presidente e dos defensores de Madri/Espanha (que também concorria) que não se cansaram de reclamar, seria um bom momento para o Rei Juan Carlos dizer a célebre frase: “¿Por qué no te callas?”

Depois do Panamericano de 2007, os dois grandes eventos próximos só provam que o Brasil está se consolidando, cada vez mais, como um país desportivo, aliás, já temos mesmo a fama de “levarmos tudo na esportiva”, sejam os juros do cartão de crédito e do cheque especial, o aumento da energia, dos impostos ou mesmo do combustível, que teima em subir, mesmo com a revelação do tal do pré-sal, que, pelo pouco que li, é a maior fonte produtora de petróleo do mundo. Continuar lendo

5 Comentários

Arquivado em Crônicas do GUS

Os filhos da mãe

costela de adãoE Deus criou Adão e, da costela de Adão, criou Eva. Os dois se uniram e tiveram dois filhos: Caim e Abel. E Caim, por inveja, matou Abel. Depois do fratricídio, Caim foi marcado e condenado a vagar pela Terra por toda a eternidade e, onde chegasse, a ser reconhecido pelo que fez. Então que, andando por terras longínquas, encontrou uma mulher com quem casou e teve filhos e filhas. Fazendo um cálculo rápido, temos: Adão, Eva, Caim e Abel, tirando o Abel que morreu, sobram: Adão, Eva e Caim. Daí vem a pergunta: de onde veio a mulher com quem o Caim se casou? Muitos de vocês irão pensar, imediatamente: “ora, é filha de Adão e Eva também”, o que faz sentido, entretanto eu lhes digo, sem medo de errar, se, naquela época, já existissem advogados, eles, em defesa de Adão, contestariam o fato e iriam requerer à justiça um exame de DNA.

O homem sempre quis saber “de onde” veio. Se realmente de Adão e Eva, dos organismos coacervados – base da teoria evolucionista, ou ainda se é originário de civilizações extraterrestres. Por outro lado, saber “de quem” veio, nem sempre foi uma preocupação tão grande, a não ser quando passou a gerar direitos e expectativas de um atalho para fama e fortuna. Continuar lendo

6 Comentários

Arquivado em Crônicas do GUS